Grammy anuncia mudança de regras para tentar tornar o prêmio mais justo

Grammy anuncia mudança de regras para tentar tornar o prêmio mais justo

O Grammy anunciou uma série de mudanças em suas regras nesta quarta-feira (14) para tentar tornar o prêmio mais justo, como votação online e atualizações da categoria de álbum do ano. As novidades já estão valendo para a edição 2018 do prêmio.

A votação para os 13.000 membros da academia fonográfica será completamente online agora. Bill Freimuth, vice-presidente sênior de premiação da academia, disse a ABC que a academia espera atrair eleitores mais jovens e músicos em turnê que estão longe de casa durante a temporada de votação. “É algo que tem sido desejado, falado e investigado há muito tempo”. Freimuth disse que havia preocupações com questões de segurança, mas que “fizeram tudo o que pudermos para garantir que a integridade do sistema seja preservada”.

Outra mudança importante é agora todos os participantes dos indicados a álbum do ano, incluindo artistas, compositores, produtores e engenheiros, devem ser creditados com pelo menos 33% (ou mais) do tempo de reprodução no álbum para ser elegível para indicação. Antes da nova regra, todos os participantes em um álbum ganhariam uma indicação ao álbum do ano, mesmo que eles trabalhassem em apenas uma música.

A mudança de regra do álbum do ano afetaria principalmente o pop, o rap e os álbuns de R&B contemporâneos, onde os produtores normalmente variam ao longo das faixas. “Lemonade”, de Beyonce, “Views”, de Drake, e “Purpose”, de Justin Bieber – todos indicados em 2017 para álbum do ano – cada um tinha pelo menos 20 produtores creditados. O “25” de Adele, que ganhou o principal troféu tinha 11 produtores.

“A participação em uma única faixa em um álbum de 12 ou 15 pistas realmente significa que eles realmente trabalharam no álbum? Quando foi questionado, a maioria das pessoas dizia: “Não”, disse Freimuth.

Se a nova regra tivesse sido implementada neste ano, Bruno Mars e Ryan Tedder não ganhariam Grammys por seus trabalhos de produção no álbum de Adele, por exemplo. Freimuth acrescentou que compositores e produtores que trabalham em um grande sucesso em um álbum poderiam ganhar uma indicação para gravação ou a música do ano.

Outras mudanças incluem comitês de revisão de indicações adicionados aos gêneros rap, instrumentais contemporâneos e New Age. Os comitês servem como uma camada adicional de avaliação.

No caso do rap, poderia evitar casos como Macklemore e Ryan Lewis em 2014, que ganharam de Kendrick Lamar, e foram altamente criticados. Também poderia permitir que novos artistas ganhassem indicações sobre artistas veteranos como Eminem e Kanye West, que constantemente aparecem. “Nós formamos esses comitês somente quando ouvimos as comunidades dos gênero. Quando eles sentem que algo está errado ou que nossas indicações podem ser melhores”, disse Freimuth a ABC. “Para o rap, o que eles estavam percebendo era que os artistas consagrados, não importa o que eles lançassem, receberiam uma indicação por causa do reconhecimento do nome”.

Rock, R&B e country são outros gêneros que possuem comitês de revisão de indicação.

Os Grammy Awards possuem 83 categorias. Os candidatos serão anunciados no dia 28 de novembro, e a 60ª edição dos prêmios acontecerá em Nova York, em 28 de janeiro de 2018. A votação para os Grammy Awards de 2018 acontecerá no outono americano e incluirá músicas e álbuns lançados entre 1º de outubro de 2016 e 30 de setembro de 2017.

Fonte: Papel Pop